fbpx

A ansiedade antes de uma prova.

Atualizado em setembro 2, 2021
Por Editor Kadinho Treinamentos

A ansiedade antes de uma prova.

Atualizado em setembro 2, 2021
Por Editor Kadinho Treinamentos
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Estratégias comprovadas, para você pode ficar calmo e pedalar forte!

A ansiedade antes da corrida é comum em todas as provas, mas há boas notícias. 

Você pode aproveitar essa tensão pré corrida, para oferecer seu melhor desempenho – você só precisa entender o motivo pelo qual está se sentindo assim.

Conscientização e antecipação são importantes quando se trata de ansiedade de desempenho, você pode ver através da linguagem corporal que o indivíduo está lutando para lidar com o que está por vir.

Isso é chamado de teoria transacional do estresse. Esse modelo, delineado no Handbook of Behavioral Medicine, sugere que, embora avaliemos inconscientemente os fatores de estresse e as demandas de um evento, eles não são realmente o problema. 

O verdadeiro problema é como avaliamos cada um deles e, em seguida, decidimos se temos os recursos para resolver os problemas apresentados. 

Esses ‘recursos’ incluem sua habilidade técnica, sua experiência anterior e suas habilidades relevantes.

Com base em sua capacidade de enfrentar esses problemas, você cairá em um estado de ‘desafio’ ou em um estado de ‘ameaça’.

 O estado de ‘desafio’ é onde você processou a situação e concluiu que sim, você pode lidar com isso. 

Você está totalmente envolvido com a tarefa em questão e pode empregar estratégias positivas de enfrentamento para oferecer um desempenho ideal.

 O estado de ‘ameaça’, por outro lado, é quando você percebe que não tem os recursos para enfrentar o desafio que tem pela frente. É debilitante, mas pode ser revertido.

Buscando Resistência Mental

Identificar os estressores em potencial e reagir a cada um é uma tarefa ingrata. Um estudo de 2010 no Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports identificou 339 estressores distintos, com 315 destacados por atletas de elite e 228 por amadores.

Pesquisas anteriores mostraram que fatores como autoconfiança, percepção de controle e grau de resistência mental, além de traços de personalidade como extroversão, perfeccionismo e neuroticismo, influenciam se vemos uma situação como um desafio ou uma ameaça.

A confiança é grande, com os atletas do ‘desafio’ abordando seus objetivos ativamente. Eles se sentem no controle da situação e exibem altos níveis de resistência mental. 

Por outro lado, os pilotos que percebem uma situação como uma ameaça exibirão falta de foco, baixa autoconfiança e falta de controle.

O stress pré corrida também pode ser afetado por seu perfil hormonal. 

A situação clássica é que você receberá uma grande alegria quando começar, o que aumenta os níveis de testosterona, o que pode aumentar o desempenho”, disse ele. Quando você vê a próxima corrida como um desafio, seus níveis de testosterona aumentam, levando a um forte desempenho (se você não estiver muito excitado, é claro). Alternativamente, ver a situação ou o oponente como uma ameaça suprime seus níveis de testosterona, potencialmente levando a um desempenho inferior.

Tudo isso é muito bom, mas como você pode transformar uma ameaça em um desafio? Embora sua personalidade esteja bem definida, você tem a capacidade de trabalhar com o que já tem – e isso significa uma série de intervenções psicológicas.

Defina suas metas como um campeão

Confiança é igual a competência, se você se sente confiante sobre sua prova, é mais provável que se sinta mentalmente forte e tenha um bom desempenho. Parte disso se resume ao estabelecimento de metas realistas em primeiro lugar. 

Existem três tipos diferentes de metas que você mesmo pode definir, incluindo resultados, desempenho e metas de processo. É assim que eles se parecem.

Objetivo de resultado: este é o seu objetivo geral. Pode ser que você queira terminar em 15º lugar na faixa etária de 40-44 anos 

Meta de desempenho: é a quantidade de tempo que você acha que precisará para atingir sua meta de resultado. Por exemplo, terminar em 15º em 12 horas.

Metas do processo: são orientadas para o seu método, técnica e habilidade. O exemplo é manter uma posição aerodinâmica na bicke ou seguir seu plano de nutrição durante a corrida.

Dos três, os objetivos do processo são indiscutivelmente os mais importantes porque se concentram em como você vai atingir seus objetivos de desempenho e de resultado. Como você vai terminar em 15º em 12 horas? 

Sem essas competências, seus objetivos de resultado e desempenho permanecem fora de alcance. Além disso, focar nos objetivos do seu processo o ajudará a manter o foco durante a corrida, o que aumenta a competência e a confiança.

Mantenha uma conversa interna positiva

Quando você está se exercitando muito, pode ouvir uma voz interior encorajando-o a continuar e outra pedindo-lhe que diminua o ritmo ou encerre a sessão. Foi sugerido que esse tipo de “conversa interna” é a competição entre seu impulso interior para continuar e seus mecanismos homeostáticos e fisiológicos que o estimulam a pisar no freio.

Felizmente, você pode influenciar sua conversa interna para impulsionar seu desempenho. Estudos indicam, que auto fala positiva reduz os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, o que pode prejudicar a produção de energia e tomada de decisão.

 Apenas lembre-se de manter sua conversa interna positiva, pois a conversa interna negativa mina sua confiança e aumenta os nervos. 

Conversa interna positiva: “Este é um desafio, mas posso fazer isso!”

Conversa interna negativa: “Isso é loucura! Eu nunca vou ser capaz de fazer isso!”.

Outra forma de conversa interna positiva é criar um plano hipotético. Cerca de um mês antes da sua corrida, pegue um pedaço de papel e faça três colunas: 

Coluna 1: Escreva coisas sobre o evento com o qual você está preocupado.

Coluna 2: Liste como você pode evitar que essas coisas se tornem realidade.

Coluna 3: Escreva como você os resolveria se acontecessem. 

Por exemplo, um medo comum no ciclismo é furar o pneu. Esse medo entraria na coluna 1. Na coluna 2, você pode notar que pode reduzir suas chances de perfurar mudando para pneus sem câmara com selante. Na coluna 3, você faria um plano para consertar seu pneu se um furo realmente acontecer. Você planejaria se sentar em algum lugar seguro, comer um gel (para que seja digerido enquanto seu estômago está parado) e trocar o pneu metodicamente. 

Aproveite o tempo para visualizar esse processo. Você também pode praticar a troca de um pneu antes da corrida para que este procedimento se torne uma segunda natureza para você. 

Anotar tudo isso com antecedência aumentará sua confiança e evitará que você entre em pânico no dia da corrida, permitindo que você mantenha o foco se e quando suas preocupações se tornarem realidade. 

Finalmente, escreva uma lista de seus sucessos em treinamento e ou corrida, juntamente com seus pontos fortes.

 Você pode então lembrar desses impulsionadores de confiança no meio da corrida, quando as coisas ficarem difíceis. Isso não necessariamente o tornará um vencedor, mas é uma forma de conversa interna positiva que revelará a melhor versão do seu eu nas corridas.

Abraço, 

kadinho

Editor Kadinho Treinamentos, aqui no Blog.

O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários sua opinião sobre: A ansiedade antes de uma prova..


0 comentários

Receba a melhor preparação para você mandar bem nas trilhas!