fbpx
Dicas-para-tornar-se-um-escalador-sem-sofrimento-blog-casule

3 Dicas para tornar-se um escalador sem sofrimento!

Atualizado em agosto 12, 2019
Por Editor Kadinho Treinamentos

3 Dicas para tornar-se um escalador sem sofrimento!

Atualizado em agosto 12, 2019
Por Editor Kadinho Treinamentos
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Deparamos com muitos atletas sofrendo em competições quando enfrentam diversas subidas.

3 dicas básicas para tornar um escalador convicto

1. Peso Potência

Quanto mais leve e mais forte você for, mais fácil você sobe, muito importante o atleta ter uma composição corporal predominante com mais massa muscular do que gordura, gerando mais potência na bike.

2. Boa técnica de pedalada

Uma vez que o posicionamento no selim esteja correto, a carga da pedalada em pé pode gerar mais potência ocasionando em maior velocidade de deslocamento. Na Biomecânica da pedalada será a movimentação dos tornozelos empurrando para trás os pedais, colocando a plataforma dos pés de maneira mais natural, sem causar sobrecargas na região. O ideal é que os pés fiquem paralelos ao chão na fase de maior pressão nos pedais (Fase 1) e levemente apontados para baixo (em torno de 20º) durante o restante da pedalada, mobilizando as panturrilhas e o músculo da parte de trás da coxa (posterior ou bíceps femoral). 

Nas bicicletas de triathlon e contrarrelógio, os ângulos (tanto dos tornozelos quanto de ataque) são mais avançados que nos modelos de estrada com geometria tradicional. Isso faz com que a força da pedalada se concentre mais no músculo frontal da coxa (anterior ou quadríceps), poupando os posteriores para a corrida. 

3. Boa potência no pedal

Fase 1: Pressão (Posição do pedal: 2h–5h)

 Fase em que é produzida a maior parte da potência, uma vez que são usados quase todos os músculos das pernas em um movimento de extensão de quadril. Pise nos pedais com força constante, mantendo os pés paralelos ao chão. 

Fase 2: Transição para a puxada (Posição do pedal: 5h–8h)

Primeiro ponto morto da pedalada, quando o pedal atinge a posição vertical para baixo (6h). Nessa fase, siga o conselho do campeão de ciclismo Greg LeMond, dos EUA: esfregue o sapato no chão, como se quisesse tirar uma sujeira da sola.

Fase 3: Puxada (Posição do pedal: 8h–11h)

Estudos recentes comprovam que até mesmo ciclistas profissionais pouco produzem potência nessa fase, exceto durante subidas ou quando pedalam de pé. Pense apenas em retirar o peso da perna, puxando-a na direção do tronco, para que não atrapalhe o trabalho do lado oposto.

Fase 4: Chute (Posição do pedal: 11h–2h)

Segundo ponto morto da pedalada, no nível mais alto (12h). O objetivo é passar por essa fase rapidamente: leve o joelho para frente, na direção do guidão, evitando que o pé fique excessivamente apontado para baixo. Quanto menor a flexão de quadril, maior a facilidade de movimento.

Assim você consegue imprimir uma boa força no pedal, até usando o pedal da vovozinha, rsrsrs, mas o mais importante que você consiga imprimir uma boa potência, lembrando que uma potência ideal, não depende da cadência, depende no tanto que está treinado e na sua capacidade de gerar mais velocidade.

“Quanto mais você espremer o pedal mais velocidade você consegue gerar”.

Editor Kadinho Treinamentos, aqui no Blog.

O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários sua opinião sobre: 3 Dicas para tornar-se um escalador sem sofrimento!.


1 Comentário

  1. Valdemar Barbosa dos Santos

    Muito bom

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tenha o total controle das informações do seu negócio, e conte com a nossa solução para crescer com você.